Chloe x Halle e o álbum "Ungodly Hour" (Crítica/Review)


Chloe x Halle

No dia 12 de Junho a dupla de irmãs cantoras, Chloe e Halle, lançaram seu segundo álbum de estúdio, o álbum chamado chamado "Ungodly Hours" foi lançando com o selo da produtora Parkwood Entertainment que pertente à cantora Beyoncé.
Aqui no site do POPularizando postamos o lançamento e foi prometido uma review para esse álbum, o trabalho dessa dupla será o segundo review de álbum postado no site, anteriormente foi postada uma review do mais recente álbum da Lady Gaga "Chromatica".

Capa do álbum "Ungodly Hours" (2020)

Agora vamos ao que interessa, escutamos todas as treze faixas desse álbum e agora falaremos o que achamos referente o trabalho musical desse disco. Para começar se você como nós do POPularizando ama o R&B com a cara dos anos 2000, esse álbum será uma perfeita experiência para você, pois o R&B clássico será a pegada que você poderá esperar desse álbum, claro existem outras influências nas músicas para poder dar um ar mais novo e jovial.

Ao iniciar o álbum já somos apresentado para a "Intro" e logo em seguida para a música "Forgive Me", que foi uma single com clipe lançada antes do álbum, já nessas músicas sentimos a pegada R&B anos 2000 com fortes influências de Beyoncé porém com uma pegada mais pop, para quem já escutou trabalhos anteriores da dupla, irá perceber que a voz das mesmas está diferente, ou seja, realmente mostrando maturidade, já que começaram seus trabalhos sendo tão jovens.

Clipe "Do It" (2020)

As músicas que mais chamaram a minha atenção nesse álbum foram as faixas "Baby Girl", "Do It" e "Lonely", ambas as faixas citada apesar de ainda se encaixarem no gênero R&B, foram as que mais se diferenciaram no álbum das outras, por exemplo, as faixas "Baby Girl" e "Do It", poderiam se encaixar facilmente como uma "Soul Music", e a faixa "Lonely" é uma mistura clara de R&B e Indie pop, algo que a cantora Billie Eilish faz bastante em suas músicas.

Porém esse álbum sofre de algo que também foi criticado no review do álbum da Lady Gaga, algumas da músicas são puras repetições, tanto que as vezes fica difícil lembrar o nome das músicas já que aparentam ser muito iguais, creio que se cortassem cinco faixas desse álbum, deixando ele apenas com oito, faria o trabalho ficar impecável.


Nesse disco tiveram duas participações na faixa "Catch Up", Swae Lee e Mike Will Made-It foram as participações de peso desse álbum, a faixa é claramente um trap misturado com pop, e as vozes de todos os artistas ficaram impecáveis, Swae Lee mostrando que além de rimar, sabe cantar melodicamente também sem nenhum problema.

O disco ao todo é uma experiência ótima para fãs de R&B clássico, deixa a desejar apenas em algumas músicas, como por exemplo a faixa "Tipsy", que para mim foi a faixa que acabei não gostando de jeito nenhum nesse álbum, a música soa como se fosse algo que a produtora pediu para a dupla fazer para garantir ter treze faixas no disco, e não algo que as mesmas fariam com o coração, igual suas músicas anteriores.
A música que encerra esse álbum é a faixa "ROYL", e foi para fechar o trabalho com chave de ouro e mostrar que as meninas não estão de brincadeira nessa cena, a faixa tem influências de trap, R&B e até mesmo do estilo Beyoncé de fazer as coisas, o coral cantado nessa faixa é sem defeito nenhum e mostra maturidade musical das irmãs.

Chegamos ao fim da nossa segunda review de álbuns no POPularizando, lembrando que sempre será feita de forma curta e direta, assim o artigo não se torna algo cansativo, fiquem ligados que em breve teremos mais artigos dessa categoria. 

Escute o álbum no Spotify:

Postar um comentário

0 Comentários